Geral

Avião cai em bairro de Belo Horizonte

Atualizado 16/4 as 9h57 – A aeronave Socata ST-10 Diplomate prefixo PT-DME, caiu por volta das 15h20 entre as ruas Minerva e Nadir, no bairro Caiçara, região Noroeste de Belo Horizonte, logo após decolar do Aeroporto Carlos Prates.

Leia também
Avião sai da pista no Aeroporto Carlos Prates em BH

Como muitos fios da rede elétrica foram rompidos com a queda da aeronave, além de um poste ter sido atingido, a Cemig preferiu desligar a rede de energia da região.

Identificação

A Polícia Civil, por meio do Instituto Médico-Legal (IML), identificou ontem oficialmente o médico Francisco Fabiano Gontijo (47) como a vítima do acidente, a partir de exames de impressão digital e arcada dentária. Com isso, a corporação dispensou a realização do exame de DNA.

No dia do acidente, a perícia informou que o fato de o corpo do piloto estar carbonizado impossibilitava a identificação imediata.

Documentação vencida

A Inspeção Anual de Manutenção (IAM) estava vencida desde janeiro. Expedida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a IAM é obrigatória para todo equipamento aéreo operar e deve ser renovada a cada 12 meses.

Prefeito descarta fechar aeroporto

O Prefeito Alexandre Kalil (PHS) afirmou, nesta segunda (15), que não vê motivos para fechar o terminal, que abriga o Aeroclube do Estado de Minas Gerais dedicado à formação de pilotos, aviação desportiva, manutenção, instrução, construção de aeronaves, ultraleves, aviação geral de pequeno porte, e helicópteros. No último

“O prefeito é culpado de muita coisa, mas de avião cair. Vamos rezar para avião não cair, mas todo lugar que tem avião tem o risco de cair. Foi um acidente aéreo e nós não temos nenhum projeto. O que tinha era para construir prédio, para ajudar a construtora lá, eu enterrei. Vamos culpar o prefeito do que ele tem culpa. De avião cair, ainda não”, disse.

“Você já imaginou Congonhas. Santos Dumont? Então gente, não vamos inventar a roda em Belo Horizonte. Se em Congonhas pode, se no Aterro do Flamengo pode, vamos parar com essa ideia de que não pode nada. Nós estamos custando a colocar essa cidade do pode, do Carnaval até aeroporto. Se essa fosse a lógica nós não teríamos aeroporto em grandes centros urbanos no mundo inteiro”, completou. Continua depois da publicidade

Fontes: O Tempo / EM

Clique para comentar

Deixe um comentario

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

To Top