Radar Aéreo - Forum de discussões

 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Ter Fev 14, 2017 2:00 pm

Balões assustam Cumbica, mas polícia está de olho

Imagem

No dia 31 de dezembro do ano passado, logo após decolar da pista 9L do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, o piloto de um avião da Latam avistou três balões de ar quente de grande porte bem próximos de sua rota. Numa manobra rápida, ele conseguiu desviar e livrou os 200 passageiros a bordo de um risco de acidente de grandes proporções.

O caso descrito acima não é isolado. Segundo estatísticas do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), esse tipo de ocorrência aumentou 7,9% nos três aeroportos que servem a capital paulista (Guarulhos, Congonhas e Campo de Marte) de 2015 para 2016. Em apenas um deles, justamente o de Cumbica, em Guarulhos, entretanto, a alta foi de 40%.

De acordo com dados do Centro, em 2015 foram registradas 88 ocorrências de risco baloeiro nos três terminais. Já no ano passado, 95.

Já no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, foram 47 notificações em 2015 e 66 em 2016. Isso tornou o aeroporto internacional mais movimentado do país no líder neste tipo de ocorrência.

Um balão não tripulado pode voar aproximadamente a 17 mil pés, o equivalente a cinco mil metros de altura, afirmam os especialistas. Nesse nível, as aeronaves operam em velocidades de 270 a 450 quilômetros por hora. De dentro da cabine, o piloto não consegue visualizar a aproximação do balão pelo radar. No caso de haver uma colisão no espaço aéreo com um balão de 10 quilos, a força do impacto pode chegar a 2,6 toneladas. A turbina da aeronave também pode ingerir partes desses artefatos ou acessórios e causar desde o apagamento de motor até um incêndio.

Para o gestor do Programa Baloeiro do Cenipa, tenente-coronel aviador Francisco José Azevedo de Morais, soltar balão expõe aviões a risco de colisão, que pode causar desde danos leves até um acidente de grandes proporções.

"A ingestão de materiais pelos motores e sensores da aeronave pode levar à perda de sistemas e ocasionar o acidente. O piloto pode ter que fazer uma manobra arriscada para desviar-se de algum artefato."

Para pilotos, Zona Leste é a mais perigosa de SP

A aproximação dos aeroportos de Guarulhos e Campo de Marte, pela Zona Leste de São Paulo, é a rota mais perigosa para risco baloeiro em todo o Brasil.

A análise é dos pilotos Francisco Souza, de 67 anos, e José Luiz Cunha, 52. O primeiro tem 50 anos de experiência e o segundo, 10, em aeroportos grandes e pequenos de todo o Brasil.

"São Paulo é a cidade mais complicada pela densidade populacional e a Zona Leste é a região onde mais verificamos a presença de balões", disse Souza. "O piloto precisa estar atendo para desviar porque o risco de uma tragédia é enorme."

Os dois pilotos relataram inúmeras ocorrências em que precisaram desviar suas rotas para não se chocarem com balões. "Soltar balão é uma irresponsabilidade que nem sempre as pessoas sabem que estão cometendo", disse José Luiz. "É necessário que se tenha mais informação e ao mesmo tempo leis mais duras para coibir essa prática no Brasil."

Polícia Ambiental intensifica combate.

Uma operação da Polícia Militar Ambiental resultou no fechamento de oito fábricas de balões e na prisão de cinco pessoas no último dia 20 de janeiro.

As ações ocorreram simultaneamente nos municípios de Mauá, Mogi das Cruzes, Embu, Suzano, Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, além da capital paulista. Foram apreendidos materiais suficientes para a fabricação de mais de 500 balões, além de 22 artefatos prontos e em diversas etapas de fabricação.

Equipamentos para fabricação de tochas, para o preparo e manuseio de parafina, e maçaricos também foram apreendidos pelos agentes da corporação. As cinco pessoas presas foram também autuadas em R$ 190 mil. Elas depois foram soltas e devem responder em liberdade.

No ano passado, a PM Ambiental apreendeu 156 balões em todo o estado de São Paulo, além de aplicar 52 multas e atender 26 ocorrências do tipo.

Além disso, a Polícia Civil investiga, por meio de 11 inquéritos instaurados, entre 2015 e janeiro deste ano, pela Divisão de Investigação sobre Infrações de Maus-Tratos a Animais e Demais Crimes contra o Meio Ambiente, a participação de 22 autores neste tipo de crime.

Participante de uma comunidade que frequenta as redes sociais com o nome "Baloeiros de SP", um jovem que não quis se identificar disse que a motivação para soltar balão está na convicção de que aquilo que fazem é uma arte.

"Isso é uma arte que foi criada há muito tempo e muitos gostam de ver os nossos balões", afirmou. "E a motivação para disputar a localização deles é porque um balão lindo acaba fazendo com que outras equipes corram atrás dele. Isso que é legal e também fazer mais amizades na hora dos resgates."

O jovem admitiu que o risco é grande. "Mas para a aviação eu não concordo porque nunca vi acidente", afirmou. "Somos criticados como bandidos, mas bandidos são aqueles de terno que roubam o país. Os criminosos de colarinho branco. A gente não faz mal para ninguém." O crime de fabricar ou soltar balões está previsto em lei federal com pena de detenção de um a três anos.

Entrevista: Marcos Simonivic, comandante do 1º Batalhão da Polícia Ambiental

"Temos mapeados os locais com maior incidência de soltura de balões"

O coronel responsável pelo batalhão que abrange a capital, Grande São Paulo, Campinas e Sorocaba, Marcos de Castro Simanovic, alerta que a soltura de balões não é apenas um problema ambiental, mas também de segurança aérea e pode impactar nos pousos e decolagens.

Como está sendo feito o combate aos baloeiros?

MARCOS SIMONIVIC_Nós já temos mapeados os locais com maior incidência de soltura e manufatura de balões e também grupos de resgate desses balões. Além disso, temos registrados quem já foi autuado por uma dessas práticas ilegais. Também utilizamos as redes sociais, com policiais infiltrados em grupos de baloeiros para saber onde os balões serão soltos.

A população também tem colaborado?

Sim. Temos recebido cada vez mais denúncias anônimas que podem nos levar a baloeiros. Também contamos com ajuda da Polícia Civil. Não é apenas um problema ambiental: é uma questão de segurança aérea. Só no início do ano tivemos diversas ocorrências de balões que caíam próximos aos aeroportos de Cumbica e Congonhas. Ou seja, além de poderem cair sobre telhados de casas e matagais com chance de gerarem grandes incêndios, as empresas aéreas, com medo de alguma ocorrência, podem começar a impor restrições de pousos e decolagens nesses aeroportos, que são os com mais movimento no estado e também do país. E se uma série de restrições começar a ser imposta, o valor das passagens aéreas pode começar a subir.

Onde são fabricados os balões e onde eles são soltos?

A grande maioria na periferia da capital, sobretudo nas zonas Leste e Sul, e na região metropolitana. Eles são fabricados em garagens ou quintais de residências, ou em galpões, de forma totalmente precária. Em 20 de janeiro, fechamos oito fábricas de balões em Mauá, Mogi das Cruzes, Embu das Artes, Suzano, e Ferraz de Vasconcelos e na capital. Foram apreendidos 22 balões de grande porte e material para fabricação de mais 500 balões. Foram cinco detidos por crime ambiental e infração de soltar e manufaturar balões, com multas totais de R$ 190 mil. Pouco antes, em 14 de janeiro, detivemos três pessoas em Jundiaí (interior), que soltavam um balão de quase 15 metros. Eles foram multados em R$ 30 mil. Muitos já tinham passagem.
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Qua Mar 01, 2017 11:18 am

Concessionária que administra o empreendimento informou que futura estação se conectará por ônibus com terminais mais movimentados

A concessionária GRU Airport, que administra o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, informou na quinta-feira (23) que o deslocamento entre a estação de trem que atenderá o local e os maiores terminais aéreos do espaço será feito por meio de ônibus.

Há alguns anos, quando o projeto foi lançado, a entidade havia suscitado a possibilidade de fazer essa conexão por meio de monotrilho ou outro meio com maior capacidade de transporte e que fosse mais cômodo do que ônibus.

Quando for inaugurada, em 2018 – com quatro anos de atraso –, a linha 13-jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) não terá, portanto, ligação por trilhos com os terminais 2 e 3, onde trabalha a maioria dos funcionários e que concentram os embarques e desembarques do aeroporto.

A parada de trem está sendo construída pelo governo do Estado na rodovia Hélio Smidt a cerca de 300 metros do terminal 1, que é segregado dos demais, e recebe voos de apenas duas companhias, Azul e Passaredo.

Por meio de nota, a GRU Airport divulgou que, “após algumas reuniões com a equipe do governo do Estado de São Paulo, para tratar da viabilidade de uma solução de transporte entre a estação Aeroporto da linha 13-jade e os terminais de passageiros, definiu que a ligação adequada à demanda será feita por transporte rodoviário”.

Como era o projeto original

Imagem

Originalmente, o projeto da CPTM previa a estação Aeroporto perto dos terminais 2 e 3, cuja área de check-in poderia ser acessada a pé por seus usuários. Contudo, a GRU Airport solicitou alteração na proposta, já que contemplava construir um shopping no mesmo local em que ficaria a estação. Agora, a concessionária informou que não se pronunciaria sobre a construção do centro comercial.

Com a decisão, trabalhadores e passageiros terão que sair da estação e pegar um ônibus para chegar às áreas de embarque mais concorridas, que ficam a uma distância de dois quilômetros da futura estação. A estimativa é de que, pela linha 13-jade, circularão 120 mil passageiros diariamente.
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Ter Jun 27, 2017 1:08 pm

Equipe militar contra incêndios apaga fogo causado por balão no Aeroporto de Guarulhos

Imagem

Exatamente quinze dias após o incêndio ocorrido na Ala 13, provocado pela queda de um balão de ar quente, os militares da Companhia Contra Incêndio desta Organização Militar foram acionados neste domingo à noite (25) pelo Centro de Operações de Emergência do Aeroporto Internacional de Guarulhos para o combate a um novo incêndio no aeródromo, devido à queda de um outro balão.

De acordo com o Chefe de Equipe de Bombeiros, o 3° Sargento Tiago Garcia Soares Júnior, "os estragos só não foram maiores porque a equipe foi acionada e agiu prontamente, se dirigindo ao local com um dos caminhões Rosenbauer Panther, com o Veículo de Resgate e Salvamento e com o Carro de Apoio do Chefe de Equipe.Já ao longe, as chamas, bem altas, podiam ser avistadas."

Na manhã desta segunda-feira, com o dia claro, a equipe de bombeiros retornou ao local do incêndio, onde encontrou e recolheu partes do balão.

Segundo o Comandante da Companhia Contra Incêndio da Ala 13, o 1° Tenente Benedito Vitório Dias da Cruz, "Soltar balões é crime, capitulado tanto no artigo 261 do Código Penal, por oferecer severos riscos à aviação, quanto pelo artigo 42 da Lei 9.605/98 que trata dos crimes ambientais. As pessoas que soltam balões parecem não saber a dimensão do risco que isso representa, tanto à segurança de voo, quanto ao meio ambiente, bem como ao patrimônio alheio e, obviamente a vidas humanas, entretanto, infelizmente, o hábito continua e, nesta época do ano, é muito comum combatermos incêndios provocados pela queda de balões."

O militar explica ainda que "especificamente no caso do Aeroporto Internacional de Guarulhos, que é o mais movimentado da América do Sul e, quiçá do hemisfério sul do planeta, onde opera, regularmente, o Air Bus A-380, o maior avião de passageiros do mundo, uma eventual colisão de uma aeronave com um balão, sobretudo nos momentos críticos do voo (pouso e decolagem) pode resultar numa catástrofe, com consequências inimagináveis."

Segundo as estatísticas da Companhia Contra Incêndio da Ala 13, somente no ano de 2017, já ocorreram 07 (sete) incêndios provocados por quedas de balões no complexo da Ala 13/Aeroporto Internacional de Guarulhos. Houve também inúmeros avistamentos de balões sobre o aeródromo e nas áreas de aproximação das aeronaves.
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Seg Set 04, 2017 8:14 pm

Aeroporto de Guarulhos adota tratores elétricos

O serviço de “ground handling” do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU Airport) começou a ser realizado em agosto com veículos elétricos. A dnata, empresa que presta o atendimento de solo no terminal, adquiriu 15 novos tratores com motorização elétrica. Os equipamentos substituíram outros dez tratores como motor diesel, retirados de operação.

O modelo escolhido para o serviço é o TLD Jet-16, importado da China. Ao todo, o investimento foi de R$ 1,4 milhão. Os veículos de zero emissão de poluentes serão utilizados para rebocar carretas de bagagem, carga e correio entre as aeronaves e os terminais.

“Estamos em sintonia com a preocupação global de proteger o meio ambiente e tornar a nossa operação cada vez mais sustentável. Gradativamente, vamos substituir todos os equipamentos por mais modernos e menos poluentes”, disse Ricardo Morrison, CEO da dnata no Brasil.

A meta da empresa é trocar todos os tratores usados em GRU por modelos elétricos, o que vai demandar mais 29 unidades.

A dnata atende 3.180 voos regulares todos os meses no aeroporto de Guarulhos. No Brasil, a empresa também oferece serviços de ground handling em 26 aeroportos, incluindo os terminais do Galeão, no Rio de Janeiro, e Viracopos, em Campinas.
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Ter Set 05, 2017 12:09 pm

Governo de São Paulo compra 8 trens para atender a linha do aeroporto de Guarulhos

Imagem

A partir de março de 2018, será possível chegar e sair do Aeroporto Internacional de Guarulhos, o maior do Brasil, por meio da rede de transporte metroferroviário – é quando será entregue a Linha 13-Jade da CPTM. Na última sexta-feira (1) o governador Geraldo Alckmin autorizou a contratação do consórcio chinês Temoinsa-Sifang para fabricação de oito trens novos para atender esta linha, com investimento de R$ 316,7 milhões. Os trens, que serão fabricados na China e montados no Brasil, terão vagões com espaço para transporte de malas.

A Linha 13-Jade terá três estações: Engenheiro Goulart (cuja expansão já foi entregue), Guarulhos-Cecap e Aeroporto de Guarulhos. Com 12,2 quilômetros de extensão, o tempo de viagem está estimado em 15 minutos, com intervalos de 8 minutos. Sendo interligada à Linha 12-Safira na Estação Engenheiro Goulart, a Linha 13 dará acesso a toda a rede de trilhos que atende São Paulo e região metropolitana. “É uma grande conquista não só para a população de São Paulo e Guarulhos, mas para todo o Brasil, porque muita gente utiliza o Aeroporto Internacional”.

Com investimento estadual de R$ 2,3 bilhões, a construção da Linha 13-Jade emprega 2.500 operários. “Em plena crise, com dificuldades para todos os governos, São Paulo lidera o trabalho de expansão do sistema metroferroviário”, disse Alckmin.

O consórcio Temoinsa-Sifang venceu a licitação internacional com a apresentação da melhor proposta, no valor de R$ 316,720.807,00, ante o orçamento limite, que era R$ 319.251.011,08, gerando economia de R$ 2.530.204,08 aos cofres públicos. A aquisição dessa frota está sendo financiada com recursos do Banco Europeu de Investimento (BEI), que disponibilizou € 85 milhões para o Governo do Estado de S. Paulo.

A exemplo das frotas das outras seis linhas da CPTM, os trens terão oito carros cada, totalizando 170 metros de comprimento. A parte externa terá design arrojado e a interna oferecerá layout moderno e funcional, com salão contínuo de passageiros (passagem livre entre os carros), como nos últimos trens já adquiridos pela CPTM. As composições terão, também, monitoramento com câmeras no interior e parte externa frontal.

Equipadas com tecnologia de ponta, as composições terão sinalização de bordo (CBTC, ATC e ATO), bagageiros, ar condicionado, iluminação interna com tecnologia de leds e sinalização de abertura e fechamento de portas. Sistemas de detecção e extinção de incêndio, monitores multimídia e mapa de linha eletrônico completam esta nova série.

Os trens atendem as exigências das Normas Brasileiras de acessibilidade e contam com todos os dispositivos para orientar usuários com deficiências auditiva (mapa dinâmico) e visual (áudio), tais como: sinalização visual para identificação de assentos preferenciais, painel eletrônico para orientar o lado de desembarque e local das estações concomitante com áudio, espaço para cadeirantes e assentos preferenciais para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência física.
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Ter Mai 29, 2018 12:09 pm

Dnata já opera com frota 100% elétrica no Aeroporto de Guarulhos

Com a chegada de mais 20 tratores elétricos, a Dnata, empresa de ground handling presente nos cinco continentes, já está operando com frota 100% elétrica no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Os 15 primeiros novos equipamentos chegaram em setembro do ano passado, depois foram mais cinco unidades e, agora no começo de maio, o restante da frota entrou em operação. Pouco a pouco a frota diesel foi sendo substituída até ser tirada de circulação completamente.

O investimento total na nova frota verde é de R$ 7,2 milhões e a ideia da empresa é substituir toda a frota a diesel nos 26 aeroportos em que opera no país por veículos elétricos.

Estes equipamentos são muito mais versáteis nas manobras e deslocamentos em solo, não geram nenhuma emissão de poluentes, são muito mais seguros e confortáveis, não geram nenhum tipo de ruído quando em funcionamento, ou seja, operam silenciosamente, contribuindo inclusive para a saúde dos operadores que sofrem diariamente com o ruído intenso dos tratores convencionais.

“Estamos muito contentes com a frota 100% elétrica e o movimento agora se espalha pelo país, a exemplo do que a dnata vem fazendo em todo o mundo. Fico feliz por estamos contribuindo para reduzir a emissão de poluentes em nossas operações em solo”, disse Ricardo Morrison, CEO (chief executive officer) da dnata no Brasil.

Mensalmente, a dnata atende 3.180 voos de clientes regulares só no Aeroporto Internacional de Guarulhos e mais de 16.000 voos em todo o Brasil.

Fonte: Aeroflap
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Qui Out 11, 2018 12:06 pm

Combustível de aviões em Guarulhos supera preços dos maiores aeroportos do mundo

O QAV — querosene de aviação disponível no GRU Airport — Aeroporto Internacional de São Paulo para abastecimento de voos domésticos é mais caro do que alguns aeroportos com grande movimentação de passageiros no mundo. A afirmação se baseia no resultado do Panorama 2017 da ABEAR – Associação Brasileira das Empresas Aéreas -, conjunto de dados e análises da aviação comercial brasileira.

Em Guarulhos, o custo do QAV foi, em média, US$ 1,41 por litro. Para se ter uma ideia da diferença com outros países, o valor é cerca de 150% a maior do que Kuala Lumpur (Malásia), com custos na casa de US$ 0,55 por litro, e 38% superior ao Aeroporto de Heathrow, em Londres (Inglaterra), com preço de US$ 1,02/litro, de acordo com levantamento da ABEAR.

O Presidente da ABEAR, Eduardo Sanovicz destaca: “É importante ressaltar que há uma diferença muito grande entre essas comparações: o Brasil é o único país que tem cobrança de um imposto regional, no nosso caso o ICMS, sobre o querosene de aviação, cuja alíquota varia de 12% a 25%, dependendo do estado. Isso encarece a operação de voos domésticos de forma significativa”.

Fonte: Revista Hoteis
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Qui Nov 29, 2018 2:22 pm

Carga de turbinas de avião que seguia para o Aeroporto de Guarulhos é recuperada pela Polícia Civil

Imagem

Na manhã desta quinta-feira (29), policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), foram acionados após um motorista de uma carreta ter sido rendido por criminosos que levaram a carga do veículo, avaliada em R$ 41,7 milhões que era de turbina de avião e propulsores, tendo como destino o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos.

Os policiais foram acionados pelo motorista do caminhão, que teria sido rendido e roubado pelos criminosos na rodovia Fernão Dias, na região de Mairiporã. Após iniciar as buscas, a Polícia Civil encontrou a carga abandonada no km 83 da rodovia, e trabalha com a hipótese de que os bandidos teriam deixado para trás a carga após perceber que seria difícil revende-la.

A carga seguiria para o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, e tinha como destino final a cidade do Texas, nos Estados Unidos, onde seria encaminhada para um centro de manutenção de aviões. Os equipamentos teriam sido fabricados na cidade de São José dos Campos.

Até o momento nenhum suspeito de participar no crime foi preso e o caso está sendo investigado pela 2ª Delegacia de Investigações sobre Roubo de Carga (Divecar).

Fonte: Guarulhos Hoje
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Ter Jan 22, 2019 12:06 pm

Terminal para aviação executiva é inaugurado no aeroporto de Guarulhos

Imagem

Um terminal de aviação executiva foi inaugurado no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta segunda-feira (21). O novo terminal servirá para agilizar o embarque e o desembarque de passageiros de voos executivos.

Antes deste terminal, o passageiro desembarcava em um pátio com capacidade para 12 aeronaves de voos nacionais e internacionais, e para três helicópteros. O passageiro tinha que pegar uma van e percorrer um trajeto durante 40 minutos até o terminal 2. Com o novo terminal, as pessoas caminham rapidamente até a área do desembarque.

“O terminal vai atender ao público de grandes empresários internacionais, que vêm ao Brasil fazer diligências presenciais para tomar decisões sobre investimentos. Vamos ser o portal de boas-vindas ao investimento direto estrangeiro”, afirma Francisco Lyra, diretor do novo terminal.

O novo terminal possui estrutura improvisada, pois não é o definitivo. Para sua construção foram utilizados 36 contêineres em uma área de 500 m², que custaram aproximadamente R$ 3 milhões.

“É um terminal temporário por ser o primeiro no Brasil. Em consenso com a concessionaria, montamos a prova de conceito, que vai durar cerca de um ano ou um ano e meio até que se consolide o design, que vai ser maior, com 6 mil m² e contará com investimentos de US$ 12 milhões”, explica o diretor do terminal.

A expectativa é de aumentar o espaço físico deste terminal, com a construção de um heliponto e um hangar, além de aumentar a capacidade de aeronaves em operação, que se mantém a mesma de 2017.

Fonte: G1
 
Avatar do usuário
radaraereo
Site Admin
Tópico Autor
Mensagens: 1314
Registrado em: Sex Dez 09, 2016 4:33 pm

Re: Aeroporto de Guarulhos-SP - GRU / SBGR

Seg Out 05, 2020 12:36 pm

DHL inaugura hub de carga aérea no Aeroporto de Guarulhos

Imagem

Como parte de seu plano de fortalecimento das operações de transporte doméstico de ponta a ponta, a DHL Supply Chain, líder global em armazenagem e distribuição, anuncia hoje a inauguração de seu Hub de carga aérea no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Enquanto terminal de cargas dedicado, o Hub consolida, paletiza e prepara cargas para transporte aéreo nacional expedidos em São Paulo. A DHL opera diretamente com as companhias aéreas parceiras e pretende expandir o uso de aeronaves dedicadas, consolidando, no futuro, uma malha aérea exclusiva ao transporte de carga.

Atualmente, a DHL Supply Chain movimenta por via área mais de 1.000 toneladas por mês e a meta é dobrar esse volume em um ano. O hub possui equipes dedicadas full time às operações do modal aéreo e acesso direto à pista de voo, sendo o único operador logístico com esta configuração no Brasil.

O Hub proporciona um processamento diferenciado para as cargas aéreas domésticas embarcadas com a DHL Supply Chain.

Em primeiro lugar, o hub tem acesso direto à pista de voos do aeroporto e as companhias aéreas retiram a carga diretamente de lá. Segundo, a DHL age como agente consolidador, diluindo custos de taxas e pacotes mínimos, e emitindo a documentação necessária.

“Agregamos valor ao paletizar os produtos e embalar se for necessário, reduzindo assim os riscos de avarias e extravios na movimentação. Além disso, o fato de termos o galpão dentro da área de movimentação de carga do aeroporto aumenta o leque de companhias aéreas que podemos atuar”, explica Fábio Miquelin, Head de Transportes da DHL Supply Chain no Brasil.

O serviço está disponível para todos os perfis de carga que comportem transporte aéreo, sendo mais indicado para trajetos de média e longa distância e/ou para produtos perecíveis e com entrega urgente. Atualmente, predominam carga seca, tecnologia e medicamentos, tendo como destinos principais capitais do Norte, Centro Oeste e Nordeste.

Esses embarques podem se conectar com a malha de transportes da DHL Supply Chain em todo o País, tanto para trechos complementares, como para o last mile. A companhia oferece ainda sistemas tecnológicos de gestão da carga, permitindo visibilidade de ponta a ponta e o acompanhamento de indicadores de desempenho.

O transporte aéreo no Brasil é ainda muito ligado aos voos de passageiros, tendo assim alguns momentos de escassez de capacidade, principalmente em períodos de férias e feriados. Isso ficou ainda mais evidente durante a pandemia com a drástica redução dos voos, o que impactou também o setor de cargas.

Neste sentido, o Hub é uma alternativa para os embarcadores, pois amplia as opções disponíveis, seja com outras companhias aéreas, voos fretados ou até alternativas rodoviárias, como foi o caso da solução Rodo Expresso, criada pela DHL durante a pandemia.

“Essa linha supriu uma demanda que em geral seria aérea fazendo entregas rodoviárias de média e longa distância em até dois dias, usando até dois motoristas se necessário. Essa alternativa só pode ser acessada com agilidade por meio de operadores logísticos experientes e com estrutura”, finaliza Fábio Miquelin.

Fonte: DHL

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes