Geral

FAB localiza aeronave que desapareceu em Santa Catarina

A Força Aérea Brasileira (FAB) localizou e resgatou com vida o piloto da aeronave Tecnam P92 2000 matrícula PU-VRB desaparecida, desde a tarde de quarta-feira (03/04), após decolar do Aeroclube de Santa Catarina, em São José (SC) com destino ao aeródromo de Videira (SC). O salvamento aconteceu às 13h50 na quinta (04/04), por meio do helicóptero H-60 Black Hawk do Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (5°/8°GAV) – Esquadrão Pantera.

O avião foi encontrado na área rural da cidade de Ponte Alta do Norte (SC), situada a cerca de dezoito quilômetros de Curitibanos (SC). O piloto de 60 anos foi levado para o aeroporto de Florianópolis e conduzido pela equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para o Hospital Celso Ramos.

Missão coordenada

A aeronave SC-105 Amazonas do Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (2°/10° GAV) – Esquadrão Pelicano – encontrou a aeronave desaparecida, e o helicóptero H-60 Black Hawk realizou o resgate. As aeronaves da FAB voaram um total aproximado de 12 horas e cobriram uma área de mais de 1500 Km2 em mais uma missão coordenada pelo Sistema de Busca e Salvamento Aeronáutico Brasileiro (SALVAERO), cujo órgão central é o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA).

O Comandante do H-60 Black Hawk na missão, Tenente Aviador Vitor Lucas de Mello, relatou a emoção de encontrar a vítima do acidente com vida no resgate. “Tivemos a grata satisfação de ser recebido com um aceno de mão do piloto, e quando percebemos que estava com vida, a tripulação ficou extremamente feliz, motivada ainda mais para cumprir a missão. A gente treina para isso! Conseguimos resgatá-lo com a maca, aparentemente ele estava com o pé quebrado, segundo os nossos homens de resgate. Consciente, ele conversou com o pessoal, falou que tinha uma filha e pediu para informarmos à família que ele estava com vida”, expressou.

O piloto da aeronave C-105 Amazonas, Tenente Aviador Anderson de Oliveira Kosloski, também expressou a sua satisfação na missão de busca. “Treinamos padrões de busca, seja de dia, seja de noite, e quando a gente vê esse nosso esforço dando frutos, é uma coisa que não tem como descrever. Ver um outro piloto sendo resgatado é como se a gente estivesse na posição dele, pensando como é essa emoção de poder rever a família depois de um acidente como esse”, destacou.

A aeronave SC-105 Amazonas foi acionada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) para realizar as buscas envolvendo a aeronave de matrícula PU-VRB, no município Ponte Alta do Norte (SC). Assim, decolou às 03h05 de Campo Grande (MS), com uma tripulação composta por 25 militares especializados. As buscas iniciaram durante o período da madrugada do dia 04, sem iluminação natural, por meio de equipamento de visão noturna.Coordenador da missão pelo Esquadrão Pelicano, o Major Aviador Bruno Fernandes Vela também comentou sobre o resgate. “Posso afirmar que foi um marco significativo na minha carreira. A gente trabalha, estuda e treina diariamente. Todo esse nosso preparo é recompensado pela sensação inigualável de poder avistar um sobrevivente. Isso corrobora a razão e o nosso lema do Esquadrão ‘para que outros possam viver”, disse.

Assim que a aeronave foi localizada pelo Esquadrão Pelicano, foram lançados paraquedistas do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR), para averiguar as condições e prestar os primeiros socorros na vítima. Imediatamente, o SALVAERO de Curitiba acionou o helicóptero H-60 Black Hawk para resgatar o piloto ferido.

Investigações

O Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), localizado em Canoas (RS), foi acionado para realizar o levantamento de informações necessárias à investigação.

Na Ação Inicial são utilizadas técnicas específicas, conduzidas por pessoal qualificado e credenciado que realiza a coleta e a confirmação de dados, a preservação dos elementos, a verificação inicial de danos causados à aeronave, ou pela aeronave, e o levantamento de outras informações necessárias à investigação.

A conclusão da investigação terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade da ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes.

Fonte: FAB – Fotos: 2°/10° GAV / 5°/8° GAV / SALVAERO de Curitiba

Clique para comentar

Deixe um comentario

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

To Top