Geral

Brasil mobiliza aviões contra nuvem de gafanhotos

O governo brasileiro estuda a possibilidade de usar aviões agrícolas contra uma nuvem de gafanhotos que está há 130 km do município brasileiro de Barra do Quaraí, no oeste do Rio Grande do Sul, de acordo com o último levantamento do governo argentino.

A nuvem de gafanhotos, que tem aproximadamente 10 km de extensão, tem tirado o sono de produtores rurais do sul do país. Caso avance da Argentina para o Rio Grande do Sul ela poderá atingir as culturas de inverno como trigo, aveia e cevada. As videiras, pomares de frutas cítricas, oliveiras, áreas de cultivo de hortaliças e até mesmo a pastagem podem sofrer com ela.

Existe uma possibilidade remota de inversão dos ventos. O avanço de uma frente fria também pode provocar chuva a partir de quinta (25) e criar uma barreira contra esses animais, já que eles gostam de tempo quente e seco.

O Brasil formou um grupo de monitoramento da situação e aviões agrícola estão de prontidão no extremo sul do país preparados para um ataque contra os gafanhotos. “Só em Uruguaiana, dez aviões estão prontos para operação imediata, o que é considerado mais do que suficiente”, diz o Sinda, entidade que reúne as empresas brasileiras de avião agrícolas.

Argentina

Uma operação coordenada pelo setor de aviação agrícola da Argentina contra a nuvem de gafanhotos resultou na eliminação de somente 15% dos insetos, conforme informações do Sindag. Ainda de acordo com o Sindicato, a operação teria ocorrido na região de Curuzu Cuatia, província de Corrientes, antes do anoitecer de sexta (26), quando os insetos foram encontrados após pousar em uma área de campo para se alimentar e passar a noite.

Os técnicos têm aproveitado esses momentos para fazer as operações de combate. Quando pousam e se agrupam, os gafanhotos ocupam uma área de 10 hectares. Quando levantam voo e formam a nuvem, os gafanhotos abrangem área equivalente a 3 mil hectares, com 10 quilômetros de comprimento e 3 quilômetros de largura, o que dificulta a ação dos aviões.

Fontes: UOL / G1

Clique para comentar

Deixe um comentario

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

To Top